Citações, Música, Fotografia, Desabafos, Notícias & Opiniões de uma Lusitana em Terras da Germânia

Montag, November 21, 2005

As Cavernas Hell Fire

Os planos para as cavernas estavam traçados há muito.
A estrada e a extração do calcário não apareceram por acaso.
No seguimento de perseguições políticas aos “Cavaleiros de S. Francis”, Dashwood deu a "Ordem" como extinta em 1763.

Fotografia: Micas Out/05

Contudo e porque há documentos que provam o contrário, as reuniões secretas continuaram, foram apenas transferidas para outros locais.
Um desses locais seria então a Caverna que Francis Dashwood tinha mandado escavar.


As lendas locais contam que aí se sacrificavam virgens ao demónio, outras falam de orgias selvagens entre os membros da Ordem.
Será apenas a voz do povo que tenta arranjar uma explicação para aquilo que não se sabe explicar! Certo é que as cavernas continuam nos dias de hoje, envoltas em histórias de escândalos e mistério...

Fotografia: George Knowles

Acredita-se que as cavernas foram somente utilizadas para os rituais de iniciatismo.

Fotografia: George Knowles

Estes rituais secretos eram conduzidos pelos 13 membros principais.
Seriam rituais de grande simbolismo e bastante insinuação sexual, alegadamente baseados na versão de Francis Dashwood sobre os “Mistérios de Elêusis”.

Fotografia: George Knowles

Os mesmos teriam sido praticados na Grécia antiga em honra de Demeter e da sua filha Persephone durante um período de nove dias.
Mas, estas cavernas existiam já antes das escavações feitas por Francis Dashwood.

Fotografia: George Knowles

De facto, tem origem pré-histórica.
Diz-se que em tempos remotos teria sido um “altar pagão” com as suas catacumbas pagãs.
Há uma lenda popular contando que, quando começaram a construir a primeira igreja do povoado no sopé da colina durante a Idade Média, todas as noites mãos invisíveis vinham destruir o trabalho feito durante o dia.
Ao fim de um certo tempo e quando já toda a gente queria sair dali, o padre ouviu uma voz que lhe dizia para construir a igreja no topo da colina e assim nunca mais os trabalhos seriam perturbados.
Obviamente que esta lenda tem algum significado geomântico.
Quando os homens de Francis Dashwood começaram a extrair o calcário, depararam-se com alguns dos túneis completamente obstruidos pelos tectos que desabaram.

Fotografia: Micas Out/05

Haveria até uma passagem secreta que conduzia ao interior da igreja no cimo da colina e, que teria sido utilizada por uma misteriosa mulher de nome Maria, para se encontrar com o seu amor proibido! o padre.
Francis Dashwood chamou então engenheiros e, a maioria dos tuneis foram encerrados para maior protecção ficando as cavernas como as encontramos nos dias de hoje.


Com uma extensão de um quilómetro aproximadamente e, cem metros de profundidade na área que se situa directamente por baixo da igreja de St. Lawrence.
E como estamos em Inglaterra, não há lugar misterioso que se preze caso não exista um fantasma. As cavernas não fogem à regra, como tal tem não um, mas muitos fantasmas que vagueiam pelos seus túneis.
O mais famoso é sem dúvida Sir Paul Whitehead. Poeta, membro dos “Cavaleiros de S. Francis” e fiel responsável pelo Livro de Ponto da Sociedade.
Quando morreu em 1774, deixou escrito que doaria o seu corpo para a medicina mas que o seu coração teria de ser colocado numa urna de mármore e depositado em um dos nichos no mausoléu dos Dashwood.
A sua vontade foi feita, ficando o seu coração em repouso até ao ano de 1829 quando, infelizmente, o mesmo foi roubado por um soldado Australiano.
Diz-se que desde esse triste dia, Sir Whitehead vagueia pelas cavernas até que o seu coração seja reposto no mausoléu.
Outro dos fantasmas, é o de uma mulher que mantinha um relacionamento amoroso com um homem casado. Em um desses encontros, a dita mulher quando chegou à caverna em vez de encontrar o amado, deparou-se com um grupo de criaturas enfurecidas que a apedrejaram até à morte.

Fotografia: Micas Out/05

As cavernas tal como as encontramos hoje, continuam a ter uma aura mística de encanto especial.
Praticamente não há qualquer luz no interior.
Os tuneis são iluminados apenas em alguns locais por archotes.

Fotografia: Micas Out/05

As paredes estão repletas de simbolos e de mensagens feitas numa linguagem criptografada.

Fotografia: Micas Out/05

O chamado “Salão dos Banquetes” é sublime, esta a mais alta caverna com saídas para 5 dos tuneis. Para se chegar ao “Inner Temple”, a caverna onde eventualmente tiveram lugar os rituais de iniciação, tem que se atravessar um pequeno rio, hoje existe uma pequena ponte para o efeito.

Fotografia: Micas Out/05

Um local que fascina, o sentir do ar frio das profundezas que nos envolve na descida dos túneis mergulhados na escuridão, quase me leva a dizer ser possivel sentir algo que nos vai acompanhando, sentir olhos que nos penetram...

Afinal, qual será a verdade por trás da lenda???
Ficará para sempre a dúvida em suspenso...
Comments:

8 Comments:

  • At 3:25 vorm., Blogger FataMorgana said…

    Fica sempre essa dúvida. Mas há sempre muitas verdades por trás das lendas.
    São encantadores estes teus textos misteriosos :)
    Beijo grande!

     
  • At 7:32 nachm., Blogger Manel do Montado said…

    Ai, afinal também se comenta aqui? Sou mesmo um nabo nisto!
    Beijo de fim de tarde.

     
  • At 8:02 nachm., Blogger holeart said…

    muito muito interessante

     
  • At 1:19 nachm., Anonymous rosangela said…

    Nunca fui à Inglaterra. Já deu vontade de ir! Abraço grande,

     
  • At 6:24 vorm., Blogger Carmem L Vilanova said…

    Amiga! Passei para deixar-te beijinhos de bom fim de semana!

     
  • At 5:32 nachm., Blogger Adryka said…

    Olá amiga, lindas coisas que exp^poes hoje ...eu adorei a visita guiada por ti. beijinhos

     
  • At 8:27 nachm., Blogger Natalie Afonseca said…

    Oláaaaaaa Micas!!!
    Passei pelo teu cantinho para te desejar bom Domingo e deixar um grande beijinho!!
    (a minha intenção não era a rima...hehe)

    Beijinhossss :)

     
  • At 9:50 nachm., Blogger Inês said…

    Como sempre, um post muito interessante!

     

Kommentar veröffentlichen

<< Home


referer referrer referers referrers http_referer