Citações, Música, Fotografia, Desabafos, Notícias & Opiniões de uma Lusitana em Terras da Germânia

Dienstag, Februar 08, 2005

R.E.M. on Tour.



Mesmo estando numa zona onde o Carnaval é famoso, pessoalmente não lhe encontro grande piada. A minha opção para este fim-de-semana de carnaval foi o concerto da banda americana R.E.M..

A banda entusiasmou as 12.000 pessoas que assistiram ao concerto na Arena de Oberhausen.
O vocalista Michael Stipe começou o concerto dizendo; “Somos de um país muito estranho e longe daqui! Somos dos EUA”.
No palco não apareceu apenas uma das bandas de rock de maior sucesso, mas também a consciência personificada da América.
Ao longo das 2 horas de espectáculo, foram tocadas essencialmente músicas do novo album “Around the Sun”, e alguns velhos êxitos.
O cantor apareceu em palco com uma tira preta na face, mas o ambiente algo escuro, cedo desapareceu devido ao espírito aberto e extrovertido de Stipe. Perguntou se era possível viajar de Oberhausen para Berlim através de um comboio de alta velocidade e como se chamava o mesmo, isto para anunciar a música “High speed train”. Depois foi a vez de “Everybody Hurts” e uma nostalgia colectiva foi sentida no recinto.
Era de esperar que o tema política estivesse presente, uma vez que a banda fez campanha nas últimas eleições contra George W.Bush. Sobre a vitória de Bush, Stipe foi muito claro mostrando o quanto detesta o Presidente americano e tudo o que ele representa. Tocaram duas músicas de protesto “Wanted to be wrong” e “Leaving New York”. Nessa altura o palco ficou completamente iluminado pelas cores azul, branco e vermelho – as cores da bandeira americana, ao que Stipe acrescentou que mesmo estando na oposição os R.E.M. são americanos.
Sendo apenas a minha opinião pessoal, penso que esta banda tem uma capacidade extraordionária de exprimir sentimentos exactos com textos bastante subtis. Nota-se isso na música “Losing my Religion”, um dos seus maiores sucessos, que fala de crise religiosa, do fim de uma relação, da desilusão de vida – tudo o que pode alimentar a dúvida na própria pessoa está lá, ainda que nas entrelinhas. Quase é possivel tocar as sombras e o público está já ao rubro, só raramente a depressão consegue ser celebrada desta forma.
Para além disto tocaram ainda “Man on the Moon” e “The great Beyound” que dedicaram ao cómico americano Andy Kaufman e “Imitation of Life “ numa dedicatória feita a Hollywood.
Foi a primeira vez que os vi em palco, mas gostei, e a acreditar na frase proferida por Stipe no início do concerto até admito que os EUA sejam mesmo um país muito estranho, certo é que os R.E.M. conseguiram mostrar o seu melhor lado. Valeu.
Comments:

6 Comments:

  • At 11:50 nachm., Blogger emeraldolly said…

    ciao, volevo soltanto dire che mi piacciono molto i Rem, e anche se non lo capisco molto bene mi piace il portoghese... baci baci ^^

     
  • At 12:32 vorm., Blogger Carlos Barros said…

    Micas claro que é um pais estranho,com gente estranha, e com a mania que mandam no mundo, mas que tem os REM tem coisas boas como tudo mas o stipe é mais irlandes que americano...hihihih esta era pelo menos a minha vontade...

     
  • At 6:44 vorm., Blogger R said…

    Oi Amiga
    apesar de virem de um "pais estranho"...adoro ouvi-los
    ...aproveito para deixar bjs e desejos de uma boa semana

    LIZ

     
  • At 8:05 nachm., Blogger Ana said…

    Eu vi os REM aqui em Portugal o mês passado. Também gostei bastante.

     
  • At 10:45 nachm., Blogger mfc said…

    Sem dúvida uma das melhores bandas do momento.

     
  • At 12:40 nachm., Blogger Papa-figos said…

    Estiveram cá mas infelizmente deixei-os partir sem os ouvir, são no entanto uma das minhas bandas favoritas.

    Trocava bem o meu carnaval, de folia e copos, pelo teu ao som do REM ...

     

Kommentar veröffentlichen

<< Home


referer referrer referers referrers http_referer